Blog Soturno

Encontre aqui todas as informações sobre tudo que vem ocorrendo em relação à editora Círculo Soturnos, além de entrevistas, textos dos autores, artigos e matérias sobre nossos lançamentos e eventos.

Buscar

Reflexões soturnas

Atualizado: Abr 29

Poema de Lana Insana

Erros humanos Causando centenas de mortes, Um homem Enterra uma criança;

O horror humano Na criança aterrorizada, Uma menina confunde Uma câmera com uma arma;

Gritos e desespero de milhares, numa sala de sangue e dor, Crianças tentam escapar Da sala em que foram trancadas;

Milhares de almas Humilhadas, Estudantes massacrados Num trágico acontecimento;

Milhares são assassinados Pelas causas e ideais De uma minoria repleta De Medo e ignorância;

Que um traço de humanidade Seja privilégio e não um direito, Um Iraquiano condenado Conforta a dor de seu filho;

Pessoas morrem Pela ignorância, Uma mulher trancada numa caixa, Para morrer de fome;

Paraísos corruptos, repletos de poluição, Um surfista bebe lixo No mar da Indonésia;

A desgraça do fanatismo Mata estudantes, Partidários políticos Arrebentam suas cabeças (literalmente);

Centenas de mortos empilhados Em ruas pelo mundo, Miséria e fome na Nigéria...;

Fronteiras fechadas por números, Fechando também as portas da esperança; Migrantes curdos tentam fugir Da guerra na Síria;

Um passo terrível projeta a sombra De um homem morto, A marca da vítima de Hiroshima No chão da cidade;

Uma triste morte acontece Num deserto, e ninguém vê A mulher carregando seu filho, Morto de fome na Somália;

Crianças choram, tentando fugir Da violência da Síria, Enquanto seus pais são encurralados Pelo exército grego;

E ainda na Síria, uma menina Perdeu a infância No olhar. Casa bombardeada;

Milhares de animais Morrem por nossa insensatez, Várias espécies desaparecem Por nossa ganância e consumismo;

E a fome se espalha Neste mundo injusto Em que milhares de toneladas de alimentos São desperdiçadas;

Um pai anda com seu filho Na rua destruída Em Aleppo, Na Síria;

E quando a pobreza é vítima Do desastre, Resta a tragédia. Terremoto no Haiti;

Uma menina branca descansa tranquila No banco onde só europeus podem sentar. Atrás do banco sua babá africana Penteia seu cabelo;

Uma outra criança Joga uma pedra Num tanque israelense Durante a Intifada;

E permanecemos completos selvagens, Indiferentes à grande pilha de crânios De bisontes americanos Que serão adubo;

E os animais, que dependem de nós Para viver, Morrem, como o albatroz, Com seu estômago repleto de lixo.


10 visualizações
  • WhatsApp Soturnos
  • Twitter Soturnos
  • Youtube Soturnos
  • Instagram Soturnos
Logotipo Soturna Sintonia Preto.png