Blog Soturno

A Dança do Pesadelo

08/11/2019

 Conto de ficção inspirado em personagens reais, que possuem ligação com o projeto Soturnos (Editora e Webradio):

Fernanda Miranda, membros da Banda O Quarto de Helena, Rumanesk, Júlia Trevas, karin poetiza, Sr. Arcano, Lana Insana e DJ Zilah.

 

 

Uma moça reservada, uma casa cheia de livros de terror, umas festinhas góticas de vez em quando, muita simpatia e alguns amigos. A princípio, Fernanda parece ser uma mulher normal, mas se não fosse um gosto estranho por certos escritos e músicas sombrias, ela não teria pela frente um acontecimento tão terrível em sua vida.

 

Fernanda Miranda era uma grande fã de uma editora chamada Círculo Soturnos, e admirava a música de O Quarto de Helena, cujo projeto musical é composto por Fabiano, Morphis e Dressa.

 

Amigos de Fernanda a avisavam sobre seus estranhos gostos para música e literatura: “Não fique lendo muito os livros macabros dessa editora, e essa música então! Você vai acabar tendo pesadelos...”.

 

De fato, os livros da Editora Círculo Soturnos só trazem em suas páginas versos desesperados de melancolia, soturnismo, horror e terror. Poemas macabros, às vezes acompanhados por ilustrações inquietantes. Seu catálogo só traz como tema a literatura de autores atormentados pelo lado mórbido da vida. E a música da banda O Quarto de Helena, algumas vezes, trazia um tempero parecido, melancólico e sombrio.

 

O editor é conhecido pelo pseudônimo Sr. Arcano, e dizem as más línguas que Arcano e seus colaboradores conspiram nas sombras um meio de fazer prevalecer as forças das trevas, influenciando seus fãs para o caminho do mal...

 

Mas Fernanda não se importava com nada disso. Ela adorava ler todos os contos e poemas dos Soturnos, e delirava com os CDs de O Quarto de Helena! Em seu quarto ela guardava numa estante os livros e CDs, e tinha pôsteres de seus livros favoritos colados nas paredes. Sem dúvida, ela era uma criaturinha das trevas!

 

E mesmo com tanto trabalho em seu emprego puxado e ainda estudando na faculdade, ela tinha tempo de sair para as festas góticas do Rio de Janeiro, em que a DJ Zilah discotecava com seu set sombrio. Com muita bebida e música fazendo sua cabeça girar, ela viajava no mundo de Sr. Arcano e da Editora dos Soturnos. Fernanda sonhava acordada com castelos assombrados habitados por vampiros, e o Nosferatu do livro de Rumanesk sentado num trono, oferecendo a ela uma taça de sangue; cemitérios em que os poetas macabros das Antologias Soturnos saíam de seus túmulos para um Sabá regado a vinho e poesia. E alguns personagens surgiam para atormentar sua mente já bastante atormentada: Rumanesk, a poetiza maldita, trazendo um apocalipse para acabar de vez com essa humanidade asquerosa, e logo atrás, num enorme cavalo negro que exalava fogo das narinas, vinha Lana Insana - a louca!, carregando em correntes várias mulheres e homens para suas orgias demoníacas. E não parava por aí, pois logo atrás de Lana vinham Sr. Arcano como um cadáver sem destino, e Júlia Trevas, com lágrimas negras caindo de seus olhos sombrios. E logo depois vinha a terrível karin poetiza, invocando demônios para essa reunião de seres malditos.

 

Fernanda pensava no que seus amigos lhe diziam: “Não fique lendo muito esses livros, e essa música então! Você vai acabar tendo pesadelos...”. E ela ficava pensando: “Ah! Como seria legal se eu sonhasse com isso tudo!”. Mas Fernanda só podia mesmo imaginar, porque nunca em seus sonhos ela viu sequer um personagem desses.

 

Até que certo dia uma notícia lhe deixa muito triste: durante um sarau maldito organizado por Arcano, os três integrantes da banda O Quarto de Helena, Rumanesk, Lana Insana, Júlia Trevas, karin poetiza, e o próprio Arcano, morreram em um atentado organizado por evangélicos. A notícia deixa Fernanda tão abalada que ela não consegue sair da cama. Uma bomba foi deixada no local do sarau, explodindo e matando todos ali presentes.

 

Os dias passam tristes, lutuosos. Seus amigos sombrios foram embora e levaram com eles seus sonhos encantadoramente sombrios.

 

Mas no mundo das trevas, quem é morto sempre volta, e Fernanda soube disso ao chegar seu último dia de luto, em que ela decide fazer uma homenagem a todos os seus mortos amigos malditos.

 

Ela leva todos os livros dos Soturnos e os CDs de O Quarto de Helena para um quarto especial e misterioso, com estante e janela de madeira velha e apodrecida, o local cheirava a mofo e tinha teias de aranha caindo do teto até as paredes sujas e descascadas. E ali ela resolve deixar tudo organizado para na semana seguinte realizar uma exposição.

 

Era tanto material a ser organizado, com livros, CDs, pôsteres, poemas ilustrados, que Fernanda abre a janela para descansar enquanto a brisa noturna acaricia seu rosto e a enorme lua cheia ilumina partes do quarto. As lembranças de seus amigos mortos vêm à mente, e Fernanda volta ao trabalho para não chorar. E entre vários livros, CDs e papeladas, ela adormece cansada e triste. Ali mesmo, ela desmaia no chão, como se movida por uma força sobrenatural que a faz se sentir profundamente fatigada.

 

* * *

 

Ouve então um barulho estranho, algo se arrastando em sua direção. E quando se levanta para ver o que é, depara-se com o corpos de Morphis, Dressa e Fabiano, arrastando-se com os braços porque não havia nada de sua cintura para baixo, a não ser a cauda de sua espinha dorsal. Eles a chamavam com sua voz gutural, deixando à mostra seus corpos repletos de feridas abertas: “Fernanda, seja bem-vinda ao nosso pesadelo”.

 

Ela grita apavorada e sai correndo do quarto, mas no fim do corredor, que dá acesso para todos os outros quartos, que agora pareciam ser os quartos de sua casa, ela vê Júlia Trevas, segurando um crânio nas mãos ensanguentadas, enquanto sopra ao seu redor um bafo funesto, espalhando-se numa grande fumaça que deixa as paredes, o teto e o chão podres e cheios de vermes.

 

Fernanda, nesse momento, tenta se esconder no quarto de seus pais, na esperança de obter ajuda. Mas quando abre a porta, depara-se com uma cena terrível: a cruel karin poetiza devorava os restos de seus pais, banhada em sangue. Fernanda solta um grito estridente e corre de volta para o quarto onde estava, que agora parecia ser o quarto de sua casa. Poderia ser qualquer outro, mas ela já não pensava direito. Não achava direção certa, as pernas tremiam, a loucura aos poucos a dominava. E encontra Rumanesk com os cadáveres de seus gatos, saboreando o sangue deles e observando, da janela aberta, Lana Insana no quintal da casa, numa orgia com os amigos de Fernanda, presos e amarrados com diversos apetrechos de sadomasoquismo.

 

As visões são terríveis, e Fernanda quase desmaia. Como seus amigos foram parar no quintal dela? O medo é tanto que ela corre, quase sem conseguir de tanto tremer, e sai cambaleando até a saída de sua casa. Mas quando lá chega, eis que Lana Insana surge montada em seu cavalo negro que, ainda soltando fogo pelas narinas, arromba a porta com um coice e entra na casa. Lana desce de seu cavalo e vai ao encontro de Fernanda, que corre para os fundos, onde encontra o Sr. Arcano, com um chapéu grande escondendo com sua sombra as órbitas cujos olhos foram arrancados. Um grande manto cobria seu corpo, e ele disse:

— Aproxime-se, criatura!

 

Arcano abre seu manto no peito, deixando à mostra as costelas de seu esqueleto. Ele quebra duas de suas costelas e avança sobre Fernanda. Apavorada, ela tenta correr, enquanto Arcano a persegue, cravando as costelas quebradas nas paredes do corredor, como ganchos, que quebram o concreto causando um grande estrondo a cada golpe.

 

Aos poucos, todos vão cercando Fernanda. Ela corre, tropeça, grita. Até se ver cercada por todos, em um canto sem saída. Sente cada vez mais perto de seu rosto a fumaça negra que saía da boca de Júlia Trevas. Rumanesk e karin poetiza já estão quase a abraçando, os membros da banda O Quarto de Helena se arrastam pelo chão e já quase tocam seus pés. Lana Insana solta uma gargalhada infernal enquanto se aproxima cada vez mais, e, quando já a observa bem de perto, põe-se a lamber suas coxas. E quando, finalmente, Sr. Arcano ergue suas costelas a ponto de cravá-las no peito de Fernanda, ela solta um grito alucinante.

 

* * *

 

Então Fernanda acorda. O chão cheio de CDs da banda O Quarto de Helena, livros soturnos, desenhos e poemas. Todo um material sombrio espalhado ao seu redor, como imagens que davam vida ao seu pesadelo. Resolve então pegar todo esse material e jogar tudo fora.

 

Pega tudo e joga pela janela, sem reparar direito no visual de fora. E continua pegando e jogando, pegando e jogando. Uma, duas, três vezes. Até se dar conta de que algo estava muito errado. Ela tinha se virado depois de jogar o último montante fora, e agora, pasmada, temia virar-se novamente para a janela, com medo de confirmar o absurdo que tinha visto de relance. Mas ela vira, e olha apavorada para fora, percebendo que a casa estava flutuando!

 

Do lado de fora, no centro de um ciclone, Lana Insana voava em seu cavalo que deixava um rastro de fogo em seu voo. A banda O Quarto de Helena não precisava mais se arrastar, pois no ciclone eles podiam flutuar enquanto tocavam seus instrumentos, numa visão mórbida de tocar com sua longa espinha dorsal à mostra. karin poetiza voava desferindo raios ao seu redor, coberta por um manto que quase não se via o fim. Rumanesk planava com suas grandes asas de morcego, e logo atrás vinha Júlia Trevas sem um corpo físico - era etérea - fumaça negra em forma de mulher voando e assombrando como um fantasma.

 

Sem perceber que Arcano se aproximava da janela, Fernanda é puxada por ele abruptamente para fora do quarto. E ele diz: “Venha dançar com o pesadelo”. E ao som da música de O Quarto de Helena, Arcano dança com Fernanda no ciclone, apertando-a em seu corpo, tão forte que suas costelas quebradas perfuram o corpo da moça.

 

Fernanda foi levada, aceitando a morte, conformada. Agora ela pertence ao mundo que sempre admirou. E o ciclone engole Fernanda e a casa, com todos os seres malditos que ali estavam. Todos foram para um abismo escuro,  para o mundo das trevas...

 

* * *

 

Então, finalmente, Fernanda acorda e descobre que teve outro pesadelo ao achar que estava acordada. Mas isso não foi um alívio, porque ela acorda morta, seus olhos se abrem já sem cor. E ela dá seu último suspiro, com o chão cheio de sangue dos ferimentos em seu corpo.

 

Seu erro e sua maldição: permanecer uma noite no quarto de Helena, e lá ter um sonho fatal.

 

E a noite não tem fim para Zilah, que toca seu set list sombrio, presa por correntes no quarto abandonado, enquanto o fantasma de Helena dança, dança e dança...

 

 Ilustrações: Iam Godoy

 

Este conto é uma chamada para os ouvintes da Soturna Sintonia ouvirem o programa Atmosfera Fantasma - Edição especial com músicas inspiradas em pesadelos, que será transmitido dia 9 de Novembro às 22h (reapresentação de Segunda a Sexta no mesmo horário)

Nesta edição, Sr. Arcano também vai revelar novidades sobre as próximas antologias da Editora Círculo Soturnos, em especial a Antologia Atmosfera Fantasma, dedicada a contos de terror de autores nacionais contemporâneos.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Postagens Relacionadas:
Please reload

  • WhatsApp Soturnos
  • Twitter Soturnos
  • Youtube Soturnos
  • Instagram Soturnos
Logotipo Soturna Sintonia Preto.png